VEIO DO TUMBLR - Sobre uma saudade quase suportável

terça-feira, junho 10, 2014



De costas pra saudade com a arma na mão. E ela também. Primeiro passo à frente, segundo passo… Eu sei que eu tenho que apertar o gatilho primeiro, mas ela parece tão mais forte e ágil. Ela vem tentando me aniquilar faz tempo, mesmo quando se faz de boa moça e se intitula “saudade reciproca”. E eu vou me esquivando, o máximo que posso. Tentando destruir um pouco do seu corpo, mas o que eu posso fazer? Ela se regenera. E, de novo, me espia com seus olhos amedrontadores por cima do ombro. Eu fico procurando meios de ser mais forte que ela, arrisco um riso atemorizador, mas no fundo sei o quanto estou abatida e frágil e acho que ela também sabe. Terceiro passo e atirar. Ferida outra vez. Vendo a carência, o vazio, a tristeza se aprontar do lado da saudade. Todos com olhar de quem venceu. E eu sozinha. Quando isso vai acabar? Agora é tudo escuridão. Depois eu acordo.

You Might Also Like

0 comentários

INSTAGRAM